top of page

Acusado matou vítima com 12 facadas e disse aos filhos que iria comprar remédio


Preso na noite de terça-feira (19) pela morte da namorada Lorrane Cristina Silva de Lima, 23, José Edson Gaudino Santos, 25, admitiu o crime e detalhou à Polícia Civil a dinâmica dos fatos na noite de 13 de março, em Diamantino (208 km a médio-norte). Em depoimento, ele disse que contou aos filhos da vítima que iria comprar remédio, trancou a casa com todos dentro e tentou fugir ao Para.


Em vídeo, o delegado Marcos Bruzzi, que investiga o feminicídio, disse que o rapaz assumiu a autoria do crime, mas negou que tenha mantido relação sexual com a mulher já morta, como sugere perícia realizada no corpo e local do crime.


Segundo o policial, o acusado contou que naquela quarta-feira (13) o casal havia discutido por conta de acesso a celular.

Disse que a mulher consultava seu aparelho e ele também vasculhava o dela. Porém, da data ele não conseguiu ver as mensagens que queria porque este estava bloqueado. Ao insistir, houve discussão e ele já foi se deitar com uma faca.


No meio da noite, ele golpeou o peito da mulher e depois desferiu mais 11 facadas nas costas, o que causou sua morte por hemorragia. Os filhos da vítima, de 5 e 7 anos, presenciaram a mãe ser morta e ficaram trancados na casa até a polícia achar o corpo.


“Ele disse às crianças que iria comprar remédio, trancou a casa e não voltou mais. Ele foi preso na rodoviária do Pará e disse que não tinha comprado passagem, que não sabia para onde iria”, relatou o delegado.


Ele segue preso e o inquérito está em fase de conclusão, com o encaminhamento dos laudos de necropsia e perícia no local do crime. “Inclusive, o laudo sugere que ele pode ter mantido relação sexual com ela após o crime. Ele nega este fato e confessou que tentou desbloquear o celular dela, mas não conseguiu. Ele ficará à disposição da Justiça e responde pelo crime de homicídio qualificado e feminicidio”, narrou o policial.


O crime


Lorrane foi assassinada à facadas pelo marido, José Edson, na tarde da última quarta-feira (13), no bairro Pedregal, no município de Diamantino (208 km a médio-norte de Cuiabá). O corpo da vítima foi encontrado em sua residência junto com os dois filhos pequenos.


As crianças passaram horas com a mãe morta, acreditando que ela estava dormindo.O crime teria sido motivado porque o acusado queria vasculhar o celular da vítima e ela não permitiu. Após a mulher morta, ele usou a digital da vítima para desbloquear o aparelho.

Fonte: Gazeta Digital


Comments


bottom of page